Greve de ônibus no Rio de Janeiro: segunda-feira começa complicada para os passageiros

A população do Rio de Janeiro terá grande dificuldade para chegar ao trabalho, às escolas e em qualquer outro lugar que precisar ir, por causa da greve dos ônibus, que começou na madrugada desta segunda-feira (11). A categoria está reivindicando 10% de reajuste.

O Sintraturb Rio – Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus do Rio, começou uma paralisação gradual e segundo o presidente a intenção é evitar que os passageiros não sejam tão prejudicados.

As seguintes empresas já estão paradas: Paranapuã, Ideal, Redentor, Real, Barra e Três Amigos. Cerca de 4,5 mil rodoviários já pararam e as pessoas tentam de alguma forma chegar ao trabalho, mesmo não sabendo o que  farão no final do dia para retornar ao lar.

Confira as reivindicações:

  • Reajuste de 10% nos salários.
  • Ter direito a plano de saúde.
  • Retorno da data base para 1º de março.
  • Receber vale alimentação de R$ 409,50.
  • Receber vale refeição de R$ 480.
  • Fim da dupla função.
  • Suspensão das multas e da pontuação com maior prazo para recursos.
  • Receber os pagamento de atrasados.

Infelizmente, são os usuários que irão pagar o preço da irresponsabilidade dos empresários. A categoria vive hoje um verdadeiro estado de escravidão, onde muitos profissionais trabalham mais de 16 horas por dia, tendo em muitos casos de almoçar dentro do coletivo. Isso sem contar que com o fechamento até agora de oito empresas, mais de 6 mil pais de família estão sem saber o que fazer. Essa situação precisa ter um fim“, declarou  o presidente do sindicato, Sebastião José.

A Rio Ônibus divulgou uma nota informando o seguinte: “Continua disposto a avançar nas negociações, e já encaminhou ao sindicato dos rodoviários sugestão de novo agendamento de reunião para tentar solucionar o impasse o quanto antes“.

O Metrô Rio está reforçando as equipes em todas as estações, para tentar atender a crescente demanda por causa da greve.